a história dos tapetes

detalhes decorativos

Publicado em fevereiro 25th, 2014 | por phocus+

0

por Carol Prado

SEU SURGIMENTO, USOS, TÉCNICAS e motivos são enriquecedores e instigam a curiosidade. O tapete é uma parte essencial da arte e cultura persa.  É incerta a data de seu surgimento. Historiadores e estudiosos ditam seu aparecimento há mais de 2.500 anos, no oriente. Antes, a necessidade era de proteger os povos nômades do frio e de quebra, decoravam suas tendas com peças coloridas que seguiam motivos geométricos ou curvilíneos e davam à região um ar mais vivo.

Na compra, o que geralmente se observa é o tamanho e a cor, para combinarem com o ambiente. Mas, a escolha deveria ir muito além dessas primícias. Cada modelo e estilo tem uma característica que o difere dos demais. Entre os motivos mais comuns utilizados nas tramas estão os ramos de videira, arabescos, palmeiras, nuvens e medalhões com figuras geométricas.

Nos dias de hoje, sua produção é totalmente mecanizada, mas os trabalhos feitos à mão ainda são encontrados, embora tenham alcançado o estado de arte e um preço mais elevado. Síria Solange, pioneira e empresária no ramo explicou o porque desses tecidos serem verdadeiras obras de arte e joias. Seus tapetes são todos artesanais (exceto os turcos), destacando os persas como carro chefe e a origem é diversa. Muitos vêm da região de Hamadan, Tabriz, Irã, Naim – rota histórica e cultural que circunda a vida de um tapete, tornando-o relíquia e passando de geração em geração.

Para quem procura moda, pode usar e abusar dos Ziglers, feitos pelos paquistaneses, em estilo neoclássico, extremamente luxuosos. Outros super em alta são os persas em patchwork, feitos à mão em lã altamente confortável – a maioria produzidos no Irã.

Já os Aubusson são franceses, eram produzidos exclusivamente para os palácios do rei e de sua corte, os desenhos criados incluíam arranjos florais, referências militares e motivos arquitetônicos. A maioria dos tapetes da época é encontrada apenas nos maiores museus do mundo e seu emprego é nas paredes, diferentemente dos outros modelos.

O que observamos é que independente do modelo e cor, os tapetes são peças para serem admiradas, entendidas, compreendidas e, principalmente, valorizadas. O que se vai ao chão, abaixo de um sofá, mesa – ou o que seja – tem riqueza e histórias imensuráveis, dando total personalidade ao espaço. Isso sim é essencial!

Tags: , ,


Sobre o Autor



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo ↑